sexta-feira, 28 de junho de 2024

Triangulo do viver gostoso e atualização do patrimônio de JUN/24

“A luz que brilha com o dobro de intensidade, dura a metade do tempo.”

Tempo, saúde e dinheiro são três elementos fundamentais que moldam e influenciam profundamente nossas vidas. Se imaginarmos cada um deles como o vértice de um triângulo, então a área do triângulo é uma medida de bem-estar.
É até meio clichê aquela ideia de que nossas vidas são lineares e que sempre um dos vértices é encurtado em alguma fase da vida, a saber:
Infância e juventude: muito tempo e saúde, pouco dinheiro.
Vida adulta: muita saúde e dinheiro, pouco tempo.
Velhice: muito tempo e dinheiro, pouca saúde.

Todos sabemos que a vida não é um comercial de margarina e esses tempos de vida são apresentados como deveriam ser, não como são.
Uma criança pode nascer em uma família rica, assim tendo muito dinheiro já no início, essa mesma criança pode ter uma cobrança muito forte da família que enche sua agenda com intermináveis atividades, a deixando sem tempo.
Alguém pode nascer com a saúde ferrada, nunca tendo um vértice longo nesse aspecto, a ideia de que todo velho tem dinheiro é sabidamente falsa, sobretudo no Brasil. Enfim, as possibilidades são infinitas.

Porém acredito que o triângulo do viver gostoso não é toda a equação e há outro aspecto muito importante, a satisfação. De nada adianta ter os três aspectos em abundância se você nunca está satisfeito. Isso com dinheiro é muito fácil de perceber e leva a situações bizarras, como o caso de que vazou um áudio de um juiz reclamando que era sofrido viver com a miséria de 23 mil reais por mês, ou o caso de pessoas, que já tem muito dinheiro e continuam destruindo a saúde para acumular mais.

Outra coisa que não deveria, mas me deixa incomodado, é quando eu tento discutir sobre viver de renda na internet e parece que só há dois extremos. Os emocionados que acham que juntando 300k vão conseguir viver com 10k de renda e os extremamente conservadores que dizem que você vai passar fome se não juntar ao menos 10 milhões e não tiver uma renda de 20k.
 

Já percebi que dinheiro é muito emocional, ele significa coisas diferentes para diferentes pessoas, então é difícil ser racional.
Tentando racionalizar o porquê essa discussão me incomoda chego a conclusão de que é meu medo de que meus números estejam errados, de que a renda que eu escolhi no futuro me restrinja. O pior caso que eu consigo enxergar é o plano dando errado, não agora, mas no longo prazo, daqui a 15 anos eu perceba que meu patrimônio esteja sendo dilapidado em uma velocidade maior que a prevista, ou que meu custo de vida suba mais que o previsto. Imagina que situação desastrosa, eu com 60 anos, sem trabalhar a 15, tendo que voltar a trabalhar.
Outro medo, esse está lá no fundo, é que hoje eu atribuo muita coisa de errado na minha vida a trabalhar, como um bode expiatório. E quando eu não tiver mais essa desculpa?
Esses medos são racionais ou emocionais? Difícil dizer quando estamos envolvidos na situação.

Voltando ao tema satisfação, que está intimamente ligado com gratidão, percebo que há uma dificuldade muito grande em estarmos satisfeitos. A ideia geral de quem vê minha situação de fora é que eu deveria estar muito empolgado por alcançar essa grande meta de vida, no entanto não estou.
O que tira o brilho dessa conquista? Será que as preocupações acerca do futuro fazem isso?
Eu tenho uma hipótese alternativa, eu passei esses 16 anos de caminhada rumo a IF tentando desvincular dinheiro das emoções, o que é muito bom para os investimentos, ou até primordial para acumular um bom patrimônio. Mas talvez isso não seja tão bom na hora de aproveitar. Outra hipótese é que tenhamos mais prazer na antecipação da coisa, do que na coisa em si.

Outra coisa que eu percebi acompanhando a jornada de outras pessoas que atingiram a independência financeira é que pequenos problemas na vida dessas pessoas adquiriam grandes proporções, acredito que pela falsa expectativa de que quando dinheiro não fosse mais problema, não existiriam outros problemas. Como evitar essa armadilha?

Espero não desanimar quem busca a IF, pois esse texto quase deu a entender que a IF é uma maldição :))
Longe disso, estou apenas mais neutro do que eu esperava com a situação, tentando controlar as expectativas e não errar nessa reta final de importante decisão.

Dá para fazer um paralelo da busca pela IF com uma viajem de barco entre duas ilhas, o início é turbulento com as ondas da ilha de saída atrapalhando o início da jornada. Então depois de passar as ondas iniciais você fica cada vez melhor em pilotar o barco e o mar fica mais calmo longe da ilha, claro que há uma tempestade aqui, outra acolá. O final da jornada também é turbulento, pois há as ondas da ilha de chegada, você agora é um exímio piloto de barco, mas isso pouco te ajuda, pois você deve desembarcar para aproveitar essa nova ilha. Toda mudança é difícil, você passou muito tempo no barco, você gosta do barco, está acostumado ao barco, no entanto deixar o barco e explorar a ilha é parte da jornada.


Patrimônio de JUN/2024

Patrimônio = R$ 2’000’149,72
Aporte = R$ 8’589,63 (0,43% patrimônio)
Rentabilidade = 0,64%, acumulado 12m = 18,30%
Inflação = 0,45%, acumulado 12m = 3,05%
CDI = 0,75%, acumulado 12m = 11,48%

Rendimento dos FII = R$ 5’016
Previsão da renda da PP = R$ 4’883
Total = R$ 9’899

Patrimônio conseguiu romper pela primeira vez a barreira dos 2 milhões (somando com a previdência está em 2,76kk), espetacular, nem nos meus sonhos de 20 anos atrás eu conseguia vislumbrar ter um patrimônio próximo dos 3 milhões.
A renda dos FII eu esperava um pouco maior por ter investido 100k mês passado, então fui ver que uma subscrição ainda não virou cota. Eu fiz uma arbitragem vendendo cotas mais caras para subscrever as mais baratas, ganha-se merreca com essa operação e ainda fica um mês sem receber os rendimentos, nem sei se vale o esforço.
O que salvou a rentabilidade da carteira foi essa subida bizarra do dólar, que Deus nos ajude quando o Roberto Campos Neto sair do BC.





Ad augusta, per angusta.

16 comentários:

  1. Ótimo texto, traz algumas reflexões bem interessantes para quem está na busca pela IF.

    Sobre a analogia do barco, imagino que seja complicado para alguém que passou a vida poupando de repente começar a gastar. Talvez seja mais interessante psicologicamente encontrar uma forma de fazer essa transição aos poucos para não enfrentar tanta "turbulência".

    Parabéns pelos 2kk, abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. É realmente complicado, saindo do emprego vou passar de gastar 20% da minha renda para gastar 70%. Como a maioria das pessoas gasta normalmente 110% da renda delas, elas nem conseguem enxergar qual é o problema, FIRE é o nicho do nicho.
      Deve ser legal poder fazer uma transição, infelizmente meu trabalho não permite isso, e ainda por cima é uma decisão sem volta, pois se eu me arrepender levaria anos para voltar onde estou hoje.
      Abraços.

      Excluir
  2. Que texto interessante, de todos os blogs da finansfera, o seu é o que mais me identifico, seus posts são muito vida real e eu passo por reflexões parecidas. Muito bacana ler informações de alguém já está na minha frente, você se tornou uma bússola pra mim hahahahahaha.
    Parabéns pela marca dos 2mi, muito top!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A blogosfera, por ser anônima e não estar vendendo nada, no geral tende a ser mais pé no chão. E a vida real é assim, muito mais dúvidas do que certezas, imagina se eu estou no instagram tentando vender um curso de finanças, ninguém iria comprar nada de um cara que parece perdido e só tem dúvidas :))
      Abraços.

      Excluir
  3. Interessante o seu paradoxo mendigo. Uma vez li sobre essa questão de enxergamos (ou procurar) problemas onde estes não existem.

    A "explicação" para isso seria o nosso hábito de sempre termos a necessidade de preencher o nosso foco e necessidade de atenção/alerta em algo, mesmo quando esses não sejam tão relevantes. Pois temos "slots" (espaços) reservados em nossa mente para darmos a devida atenção (ou problematização).

    Eu observo isso muito no meu dia a dia no trabalho, onde pessoas que não tem problemas, começam a reclamar de coisas banais.

    Depois reflita sobre e veja se não é o seu caso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza é isso, eu já vi acontecer com outros que atingiram a IF.
      Saber de que algo existe e conseguir se livrar desse algo são coisas diferentes, ainda mais quando parece que é biologicamente programado.
      Então provavelmente não é algo a ser vencido e sim algo que devemos aprender a conviver e manter sob controle. A mente humana é fascinante.
      Abraços.

      Excluir
  4. Muito boas as reflexões MI!

    Analisando matematicamente, 2kk, pra quem é acostumado a poupar e levar uma vida simples, é mais que o suficiente, mas sempre tem os riscos, então é uma decisão muito difícil, e ainda mais que trabalhar acaba por se tornar um hábito, esse negócio de parar é muito difícil, não é só a questão financeira. O trabalho já faz parte de quem nós somos.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo eu me esforçando para que o trabalho não fosse a parte principal da minha vida, não tem jeito, são muitas décadas dedicadas e muitas horas por dia que a gente passa no trabalho.
      Abraços.

      Excluir
  5. Rapaz, a seção de comentários do blog está cada vez mais bugada. Tenho certeza que eu tinha comentado aqui na sua postagem e ela sumiu.

    De qualquer forma, parabéns pela persistência, Mendigo. Ansioso pra começar a acompanhar a sua vida na IF.

    Abraço.
    https://engenheirotardio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, acho que o Blogger é algo que o Google meio que abandonou e só mantêm empurrando com a barriga para não enfrentar muitas reclamações.
      Abraços.

      Excluir
  6. Boa tarde Mendigo! Parabéns pela marca de R$2MM! Também vivo brigando com o Blogger, mas penso: "ruim com ele, pior sem ele". Por ser grátis não daria pra pedir muito né? Rsrs. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os problemas que eu tive no Blogger foram relacionados a cookies. Há algum tempo os navegadores bloquearam o uso dos cookies em sites de terceiros.
      Eu uso Firefox e para arrumar isso tive que ir em Configurações > Privacidade e Segurança > mudar de Normal para Personalizado > clicar na caixinha Cookies para que eles não sejam bloqueados.
      Abraços.

      Excluir
  7. Parabéns pela conquista Mendigo!!

    É importante entender qual momento para está satisfeito com patrimônio. Ainda estou refletindo sobre isso e espero estar preparado para essas conquistas quando elas acontecerem.

    ResponderExcluir
  8. Fala Mendigo, parabéns por ultrapassar a marca dos R$2.000.000. Eu também ultrapassei recentemente e sinto cada vez mais ansiedade de estar cada vez próximo. Por outro lado li um post do MMM que fala sobre ficar mais rico depois da independência financeira por poder escolher com qual projeto trabalhar e por ter mais tempo para fazer coisas em casa, como cozinhar e consertar as coisas que acabaram fazendo ele economizar mais. Eu acredito que será possível fazer uma transição de carreira de trabalhar com coisas mais divertidas quais você vai escolher. Parabéns novamente e fico feliz de estarmos compartilhando essa jornada juntos. Não me sinto mais sozinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Independência financeira é sobre liberdade, de mudar de carreira, de fazer o que gosta, ou até de não fazer nada. É finalmente deixar os trilhos estabelecidos por outras pessoas e seguir o próprio caminho.
      Abraços.

      Excluir